Prefeito de São Gonçalo  palestrou em evento do TCE como exemplo de gestor comprometido com obras públicas

Experiente, carregando em seu currículo dois mandatos de prefeito em São Fernando/RN, no Seridó, onde saiu com mais de 96% de aprovação, o prefeito de São Gonçalo do Amarante/RN, Paulo Emídio (Paulinho), tem se destacado com suas estratégias adotadas para dar andamento na execução de obras no município. Nesta quarta-feira (19), Paulinho foi um dos gestores referências em evento organizado pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE) e Federação dos Municípios do Rio Grande do Norte (Femurn).
Em sua palestra, no “Seminário Integrado de Controle Externo – Obras Inacabadas e Paralisadas”, Paulinho destacou mais de 43 obras nas áreas de saúde, educação e infraestrutura. “São Gonçalo não é uma ilha, enfrentamos dificuldades, sim; mas assumimos, colocamos todos os serviços básicos para funcionar e focamos em concluir as obras. Estou pessoalmente visitando e fiscalizando, cobrando as construtoras e penalizando as que não estão comprometidas com São Gonçalo”, disse.
Segundo o gestor, uma das principais causas para dificultar o andamento das obras, é “a falta de compromisso das empresas em cumprir os prazos estabelecidos”, como também o mau gerenciamento dos contratos. “Adotamos uma gestão de contratos mais eficiente, notificando formalmente às empresas com cronograma atrasado”, observou o prefeito.
Ainda de acordo com Paulinho, os municípios enfrentam dificuldades com a liberação de recursos federais e também em garantir as contrapartidas. Em São Gonçalo, o município adotou um rigoroso programa de controle fiscal para garantir essas contrapartidas, aliado aos cortes nas despesas e gastos com as secretarias. “Assumi já diminuindo o meu salário, do vice-prefeito e dos secretários em mais de 20%. Deixamos de nomear titulares em cinco pastas, além de vários cargos comissionados. Estamos somando essas economias para garantir as contrapartidas”, ressaltou.
Além de tudo isso, o prefeito tem ido constantemente a Brasília conferir a liberação dos recursos federais, acompanhando, de perto, os convênios nos ministérios, e investindo em suporte técnico de apoio administrativo para garantir maior eficiência na transmissão das informações aos órgãos fiscalizadores. “Estou dando condição de trabalho à secretaria de Infraestrutura para que nada falhe e as obras sejam entregues à população”, finalizou.
Via SECOM, fotos: Isaías Carlos

Comente

Comente